Síndrome do impostor: o que é e como lidar

Em Comportamento profissional por André M. Coelho

Você já sentiu como se você não pertencesse a um lugar? Como seus amigos ou colegas vão descobrir que você é uma fraude, e você realmente não merece seu trabalho e realizações? Se sim, você não está sozinho neste mundo. Estes são sentimentos de uma síndrome, e pode gerar sérios problemas para sua saúde mental.

A síndrome é conhecida como síndrome do impostor, ou que os psicólogos costumam chamar o fenômeno do impostor. Estima-se que 70% das pessoas experimentem esses sentimentos impostores em algum momento de suas vidas, de acordo com as pesquisas mais atuais.

A síndrome do impostor afeta todos os tipos de pessoas de todas as partes da vida: mulheres, homens, estudantes de medicina, gerentes de marketing, atores e executivos.

O que significa a síndrome do impostor?

Síndrome do impostor – a ideia que você só conseguiu devido à sorte, e não por causa de seus talentos ou qualificações – foi identificada pela primeira vez em 1978 pelos psicólogos Pauline Rose Clance e Suzanne Imes. Em seu papel, eles teorizaram que as mulheres eram exclusivamente afetadas pela síndrome do impostor.

Desde então, a pesquisa mostrou que homens e mulheres experimentam sentimentos impostor, e Clance publicou um artigo posterior reconhecendo que a síndrome do impostor não se limita às mulheres. Ela também criou um teste de síndrome do impostor. Hoje, a síndrome do impostor pode se aplicar a todos que não são capazes de internalizar e possuir seus sucessos.

Síndrome do impostor na sua saúde

A síndrome do impostor pode causar sérios problemas de saúde mental se não for devidamente controlada. (Imagem: HRM online)

Síndrome do impostor: a psicologia por trás do problema

Existem padrões em pessoas que experimentam sentimentos de impostor:

“Perfeccionistas” definem expectativas extremamente altas para si mesmas, e mesmo que atendam a 99% de seus objetivos, eles vão se sentir como fracassos. Qualquer pequeno erro os tornarão questionar sua própria competência.

“Especialistas” sentem a necessidade de conhecer todas as informações antes de iniciar um projeto e procurar constantemente novas certificações ou treinamentos para melhorar suas habilidades. Eles não vão se candidatar a um emprego se eles não atendermos a todos os critérios na postagem, e eles podem estar hesitantes de fazer uma pergunta em sala de aula ou falar em uma reunião no trabalho, porque eles têm medo de parecerem estúpidos se eles não sabem, resposta.

Quando o “gênio natural” tem que lutar ou trabalhar duro para realizar algo, ele ou ela acha que isso significa que eles não são bons o suficiente. Eles estão acostumados a habilidades chegando facilmente, e quando eles têm que colocar em esforço, seu cérebro diz a eles que são provas que são um impostor.

“Solistas” sentem que têm que realizar tarefas por conta própria, e se precisarem pedir ajuda, eles acham que isso significa que eles são um fracasso ou uma fraude.

“Super-Homens” ou “Super-Mulheres” empurram-se para trabalhar mais do que aqueles ao redor deles para provar que não são impostores. Eles sentem a necessidade de ter sucesso em todos os aspectos da vida – no trabalho, como pais, como parceiros – e podem se sentir estressados ​​quando não estão realizando alguma coisa.

Por que as pessoas experimentam a síndrome do impostor?

Não há resposta única. Alguns especialistas acreditam que tem a ver com a ansiedade ou o neuroticismo de características de personalidade – enquanto outros se concentram em causas familiares ou comportamentais, explica Ervin explica. Às vezes, as memórias de infância, como a sensação de que suas notas nunca eram boas o suficiente para seus pais ou que seus irmãos superam você em certas áreas, podem deixar um impacto duradouro. “As pessoas geralmente internalizam essas idéias: que, para serem amadas ou amadas,” eu preciso alcançar “, diz Ervin. “Torna-se um ciclo auto-perpetuante.”

Fatores fora de uma pessoa, como seu ambiente ou discriminação institucionalizada, também podem desempenhar um papel importante em estimular os sentimentos do impostor. “Uma sensação de pertencer a confiança promova”, diz Young. “Quanto mais pessoas que parecem ou soam como você, mais confiante você se sente. E, inversamente, quanto menos pessoas que parecem ou soam como você, ela pode e faz por muitas pessoas afetam sua confiança. ”

Isto é especialmente verdadeiro “sempre que você pertence a um grupo para quem há estereótipos sobre competência”, acrescenta jovens, incluindo minorias raciais ou étnicas, mulheres em campos de caule ou até mesmo estudantes internacionais em universidades americanas.

Como lidar síndrome do impostor?

Um dos primeiros passos para superar os sentimentos do impostor é reconhecer os pensamentos e colocá-los em perspectiva. Simplesmente observando esse pensamento em vez de se engajar pode ser útil. Podemos ajudar a ensinar as pessoas a deixar ir e mais criticamente questionar esses pensamentos. Incentive os clientes a pedir “Isso acha que ajuda ou me impede?”

Você também pode reformular seus pensamentos. A única diferença entre alguém que experimenta a síndrome do impostor e alguém que não é como eles respondem aos desafios.

As pessoas que não se sentem como impostores não são mais inteligentes ou competentes ou capazes do que o resto de nós. É uma notícia muito boa, porque significa que só temos que aprender a pensar como não-impostores. Aprender a avaliar críticas construtivas, entender que você está realmente desacelerando sua equipe quando você não pedir ajuda, ou lembrando que quanto mais praticar uma habilidade, melhor você vai ajudar.

Também pode ser útil compartilhar o que você está se sentindo com amigos ou mentores confiáveis. As pessoas que têm mais experiência podem assegurar-lhe que o que você está sentindo é normal, e saber que os outros estão em sua posição podem fazer parecer menos assustador. Se você quiser mergulhar mais profundamente nesses sentimentos, recomenda-se buscar um psicólogo profissional.

A maioria das pessoas experimenta momentos de dúvida, e isso é normal. A parte importante não é deixar que essa dúvida controle suas ações, diz Young. O objetivo não é nunca se sentir como um impostor. O objetivo é dar as ferramentas e a percepção e informações para conversar mais rápido. As pessoas ainda podem ter um momento do impostor, mas não uma vida impostora.

Efeito Dunning Kruger e síndrome do impostor

Enquanto a síndrome do impostor se desenvolve quando alguém subestima seus próprios valores, habilidades e realizações, o efeito Dunning-Kruger é o oposto. Você pode ter ouvido falar deste termo antes, uma vez que tenha sido reconhecido como uma forma comum de viés cognitivo. No entanto, o efeito Dunning-Kruger é quando um superestima suas próprias habilidades, conhecimentos e conquistas.

O efeito de Dunning-Kruger pode parecer um conceito estranho à medida que normalmente louvamos a confiança e a autoconfiança. No entanto, assim como a simples auto-crítica pode se tornar uma bola de neve que leva a síndrome do impostor, a crença inflada nas suas habilidades pode se desenvolver em ignorância e arrogância. Todos nós temos momentos de ignorância e arrogância, assim como todos nós temos momentos de insegurança e insegurança. Enquanto eles estão em lados opostos do espectro, a síndrome do impostor e o efeito de dunning-kruger são mais semelhantes do que são diferentes.

O efeito Dunning-Kruger é experimentado por quase todos. Por exemplo, um aluno decide não estudar para um exame porque se sentem confiante no material e parece “fácil”. Então, o aluno acaba com o exame ou recebendo uma nota baixa devido à superestimação do conhecimento.

O que acharam? Já se sentiu como um impostor ou no excesso de confiança alguma vez?

Sobre o autor

Autor André M. Coelho

André é pós-graduado em pedagogia empresarial, especializando na padronização de processos. Possui mais de 300 horas em cursos relacionados à administração de empresas, empreendedorismo, finanças, e legislação. Atuando também como consultor e educador empresarial, André escreve sobre Recursos Humanos desde 2012.

Deixe um comentário