O que é uma startup unicórnio?

Em Comportamento profissional por André M. Coelho

Unicórnio é um termo usado na indústria de capital de risco para descrever uma empresa privada com um valor de mais de US$1 bilhão. O termo foi primeiro popularizado pela investidora Aileen Lee, fundador da Ventures Cowboy, um fundo de capital de risco de fase de sementes baseado em Palo Alto, Califórnia.

Os unicórnios também podem se referir a um fenômeno de recrutamento dentro do setor de Recursos Humanos (RH). Os gerentes de RH podem ter altas expectativas para preencher uma posição, levando-os a procurar candidatos com qualificações mais altas do que necessárias para um trabalho específico. Em essência, esses gerentes estão procurando por um unicórnio, o que leva a uma desconexão entre seu candidato ideal versus quem eles podem contratar da piscina de pessoas disponíveis.

O que é uma startup unicórnio?

O Unicorn é o termo usado na indústria de capital de risco para descrever uma empresa de startup com um valor de mais de US$ 1 bilhão.

O termo foi cunhado pela primeira vez pela investidora Aileen Lee em 2013.

Alguns unicórnios populares incluem SpaceX, , C6 Bank, Neon, Olist, entre outras.

Existem mais de 600 empresas unicórnio em todo o mundo, e o número só vem crescendo.

O termo unicórnio também pode ser usado por gestores de recursos humanos para descrever seus candidatos ideais, que podem ser superqualificados para uma determinada posição.

O que significa uma empresa unicórnio?

Um unicórnio é o que a maioria das pessoas no mundo financeiro chamam de startup que é de propriedade privada com uma avaliação superior a US$ 1 bilhão. Alguns dos unicórnios mais populares com base nos Estados Unidos incluem a Airbnb, a gigante de compartilhamento de imóveis e a SpaceX, a companhia de transporte aeroespacial de Elon Musk. No Brasil, o C6 Bank, o Neon, e a Olist são alguns exemplos de startup unicórnio.

Aileen Lee escreveu pela primeira vez sobre unicórnios no mundo de capital de risco em seu artigo, “Bem-vindo ao Clube Unicórnio: Aprendendo com startups de bilhões de dólares.” Aqui, ela olhou para as startups de software fundadas em 2000 e estimou que apenas 0,07% delas alcançam avaliações de US$1 bilhão. Startups que conseguiram atingir a marca de US$1 bilhão, ela observou, são tão raras que encontrar uma é tão difícil quanto encontrar um unicórnio mítico.

Segundo Lee, os primeiros unicórnios foram fundados nos anos 90. Alphabet – então o Google, ela observou, foi o claro super-unicórnio do grupo com uma avaliação de mais de US$100 bilhões. Muitos unicórnios nasceram nos anos 2000, embora o Facebook (FB) seja o único super-unicórnio da década vivo hoje.

Empresa unicório

As empresas unicórnio são aquelas que tem valor de mercado de mais de US$1 bilhão. (Imagem: Economic Times)

Investimento de risco em empresa unicórnio

Desde a publicação do artigo de Lee, o termo se tornou amplamente utilizado para se referir a startups na tecnologia, tecnologia móvel e setores de tecnologia da informação – geralmente na interseção de todas as três – com avaliações muito altas, portanto, apoiadas por suas finanças fundamentais.

A questão de saber se os unicórnios do setor de tecnologia constituem uma reinflação da bolha pontocom do final dos anos 90 continua a agitar debate. Alguns argumentam que o aumento do número de novas empresas avaliadas acima de US$1 bilhão é um sinal claro de cuidado nos mercados. Outros argumentam que um grande número de empresas com altas valorizações é um reflexo de uma nova onda de produtividade tecnologicamente orientada, semelhante à invenção da imprensa quase 600 anos atrás.

Valorização de unicórnios

O valor dos unicórnios é geralmente baseado em como os investidores e capitalistas de risco sentem que crescerão e se desenvolverão, então tudo se resume a previsões de longo prazo. Isso significa que suas avaliações não têm nada a ver com a maneira como eles executam financeiramente. Na verdade, muitas dessas empresas raramente geram lucros quando começam a correr.

Investidores e capitalistas podem se deparar com alguns obstáculos, no entanto. Se não houver outros concorrentes na indústria – fazendo a inicialização, um primeiro de seu tipo, não pode haver outro modelo de negócios com o qual comparar, tornando-o um processo um pouco complicado.

Enquanto unicórnios são startups com avaliações de mais de US$ 1 bilhão, as empresas com avaliações de mais de US$10 bilhões são às vezes referidas como “decacórnios”.

Exemplos de startups unicórnio

Longe de ser apenas criaturas mitológicas, os unicórnios são uma característica regular em discussões populares de negócios e finanças. Alguns unicórnios familiares dos Estados Unidos incluem Uber, Airbnb, SpaceX, e Pinterest. A China também reivindica um número de unicórnios, incluindo Didi Chuxing, e Xiaomi. No Brasil, temos o C6 Bank, o Neon, a Olist, o Nubank, PagSeguro, 99, Ebanx, Hotmart, e muitas outras empresas.

Unicórnios no mundo dos negócios

Quando uma empresa se esforça para os melhores funcionários do trabalho, suas expectativas podem ser levantadas demais quando comparadas ao que está disponível no pool de trabalho. Os gerentes de contratação podem procurar ou manter os candidatos com qualificações muito maiores do que o necessário para o trabalho.

Por exemplo, uma empresa de tamanho médio pode querer recrutar alguém que tenha marketing, mídia social, escrita, vendas e experiência de gerenciamento e fala três idiomas diferentes. Embora possa ser econômico contratar uma pessoa com todas essas habilidades em vez de vários funcionários para lidar com tarefas separadas, pode ser demais para o novo contratado lidar e pode levar à decepção.

A menos que você seja um investidor privado ou capitalista de risco, os unicórnios que são empresas startup não aceitam muitos investimentos moderados. No entanto, os investidores que estão interessados ​​devem acompanhar o crescimento desses unicórnios se eles decidirem se tornar empresas públicas e IPO.

Ficou alguma dúvida? Deixem nos comentários suas perguntas!

Sobre o autor

Autor André M. Coelho

André é pós-graduado em pedagogia empresarial, especializando na padronização de processos. Possui mais de 300 horas em cursos relacionados à administração de empresas, empreendedorismo, finanças, e legislação. Atuando também como consultor e educador empresarial, André escreve sobre Recursos Humanos desde 2012.

Deixe um comentário