Antes de uma demissão ou dispensa, você pode ser exigido a trabalhar durante seu aviso prévio. Você não quer estar em uma posição em que se comprometeu a começar com um novo empregador em alguns apenas para descobrir que seu contrato estabelece um período de aviso prévio trabalhado ou pago ao profissional.

O que é aviso prévio trabalhado?

O aviso prévio trabalhado é o período de tempo em que o profissional deverá trabalhar após pedir demissão ou ser demitido. Ele receberá por este período trabalhado. Trabalhar com aviso prévio é um estágio peculiar na carreira de qualquer pessoa e as chances são de que você trabalhará seu aviso mais de apenas uma vez. É também um momento em que você não é mais um membro da equipe, e a cada dia que passa, desde o momento em que você avisou até o dia em que finalmente sai, você se torna cada vez menos um recurso humano para a empresa. Isso pode parecer duro, mas é verdade mesmo assim.

Aviso prévio trabalhado: quantos dias?

O tempo de aviso prévio varia de acordo com o tempo em que o profissional está em uma determinada empresa. O padrão é de 30 dias para até um ano de empresa, aumentando 3 dias para cada ano trabalhado até um máximo de 90 dias de aviso prévio trabalhado para 20 anos de empresa.

Durante este período, o empregador pode escolher se o funcionário trabalhará 1 hora a menos por dia ou se deixará de trabalhar nos últimos 7 dias de seu aviso prévio.

Trabalhando no aviso prévio

O aviso prévio trabalhado precisa ser compreendido para garantir os direitos de todas as partes envolvidas. (Foto: Grand Canyon University)

Cuidados no aviso prévio trabalhado

Você pode descobrir que não está mais sendo copiado em e-mails, nem convidado para participar da reunião no meio da semana. Às vezes, pode não ser solicitada sua opinião sobre assuntos relacionados ao trabalho, como faria normalmente. Você pode até estar presente quando seu empregador está ocupado entrevistando para o seu cargo, o que nunca é particularmente confortável. Mas é importante não se ofender a gestão diária do negócio ainda tem que continuar. Portanto, esteja atento a isso e lembre-se de que permanecer positivo e motivado durante o último mês é a chave para o sucesso!

Pode ser tentador ficar um pouco desatento ao trabalhar o período de aviso prévio, especialmente se o motivo para sair não for favorável. Mas que gosto você quer deixar na boca do seu atual empregador e como deseja que ele se lembre de você? O modo como você age em seu período final é como seu empregador provavelmente se lembrará de você, por isso é importante não queimar pontes. Certifique-se de que a maneira como você agiu no último mês está de acordo com o esforço e a energia que você dedicou no primeiro mês.

Manter-se motivado durante o período de aviso prévio é vital e há muitas maneiras de fazer isso. Tente ajudar sua empresa atual durante o estágio de transferência, prepare documentos que você acha que podem ser úteis para ela e para a pessoa que irá substituí-lo, e certifique-se de que todo o trabalho seja assinado, lacrado e entregue antes de você partir. Você não quer trabalhos inacabados ou arquivos incompletos voltando à tona meses depois que você saiu, isso é muito pouco profissional.

Tão importante quanto é reter os contatos valiosos que você fez – envie e-mails de despedida e sempre seja complementar ao seu empregador atual. Isso vai refletir bem para você e para o empregador que está prestes a deixar. Um e-mail como, “Estou deixando o adorável XYZ para uma nova aventura”, vai resolver.

Haverá uma fase durante o seu último mês em que você fez tudo que podia e está um pouco entediado, mas tente se manter ocupado! Lembre-se de que é provável que seu novo empregador queira uma referência de sua antiga empresa. Mantenha-se ocupado, mantenha-se positivo, mantenha-se motivado e não queime pontes.

Você já teve que cumprir um aviso prévio trabalhado? Como foi? Quais dicas vocês dariam para quem está passando por esta situação?

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)