Trabalhar embarcado não é um dos trabalhos mais fáceis do mundo. É uma profissão taxativa que precisa de cada grama de energia a todo momento. É por isso que o cansaço embarcado é uma das principais preocupações dos marítimos. E é por isso que as horas de trabalho dos navios se tornam um aspecto muito importante não apenas do trabalho de uma embarcação, mas também da eficiência de sua tripulação e de seus oficiais.

Regras para trabalhar embarcado

As horas de trabalho são definidas como o número de horas para as quais um embarcado é obrigado a estar de serviço, por conta da embarcação em que está empregado ou a disposição de um superior fora da tripulação. quartos.

As horas de descanso embarcado são definidas como horas fora do horário de trabalho. Essas horas não incluem as interrupções intermitentes.

O limite legal de quantas horas de trabalho em navios é colocado pela Organização Internacional do Trabalho, levando em consideração as necessidades da indústria naval.

A Convenção do Trabalho Marítimo da OIT afirma que uma série de horas de trabalho embarcado deve ser:

  • 8 horas por dia, em circunstâncias normais, com um dia como dia de descanso
  • Um máximo de 14 horas em qualquer período de 24 horas
  • Um máximo de 72 horas em qualquer período de sete dias
  • Fornecido com um mínimo de 10 horas de descanso em qualquer período de 24 horas

As horas mínimas de descanso, de acordo com a convenção marítima da OIT, devem ser:

Um mínimo de dez horas em qualquer período de 24 horas

Um mínimo de 77 horas em qualquer período de sete dias

As horas de descanso podem ser divididas em no máximo dois períodos, sendo que um deles deve ter pelo menos seis horas de duração. Dois desses períodos consecutivos não devem ser separados por mais de 14 horas.

Um marítimo deve receber um período de descanso compensatório, caso seja necessário estar de plantão durante as horas de descanso.

Operações como exercícios com bote salva-vidas, exercícios de combate a incêndio e exercícios prescritos pelas leis e regulamentos nacionais devem ser conduzidos de forma a garantir o mínimo de interrupção do período de descanso.

Um número de horas de trabalho e horas de descanso do navio para tripulantes em todas as posições deve ser exibido em um local de fácil acesso para fins de informar os marítimos em tempo útil.

Um número de registro de horas de trabalho e descanso para cada membro da tripulação deve ser mantido em todos os momentos.

Entretanto, uma exceção pode ser feita a todas as cláusulas acima mencionadas, caso o comandante do navio considere necessário exigir serviços de um marítimo em vez de manter a segurança do navio, especialmente em caráter de emergência.

Pode haver a suspensão do horário de horas de trabalho e horas de descanso em situações de aflição de embarcações e exigir que o marinheiro desempenhe as funções necessárias até que as condições normais sejam restauradas.

Ao retornar às condições normais, os marítimos envolvidos no trabalho durante o período de sofrimento devem ter um período de descanso para evitar o acúmulo de fadiga no navio.

Oficiais de convés e engenheiros, juntamente com aprendizes e cadetes podem ser obrigados a trabalhar além dos limites acima mencionados, todos os quais devem ser considerados como horas extras. Para cada hora de trabalho extraordinário, o oficial teria direito a horas compensatórias de descanso e remuneração de horas extras.

Deve-se observar que todas as disposições acima mencionadas variam para marinheiros com menos de 18 anos de idade. Para todos os membros da tripulação, quantas horas para trabalhar em navios serão regidas por um conjunto separado de regras que diz:

Horas de trabalho embarcado não deve exceder 8 horas por dia ou 40 horas por semana

As horas extras acima desses limites são permitidas somente sob circunstâncias inevitáveis ​​e sob nenhuma condição, podem ser permitidas regularmente.

Tempo suficiente deve ser fornecido para fins de refeições, com pelo menos uma hora para a refeição principal do dia

Um período de descanso de 15 minutos será permitido após um período de 2 horas de trabalho contínuo

Trabalho embarcado

O trabalho embarcado tem regras específicas, e o respeito a estas regras garantirá os direitos trabalhistas destes profissionais. (Foto: Marine Society)

Exceções para o trabalho marítimo

Exceções nas provisões acima mencionadas podem ser feitas se elas prejudicarem programas de treinamento efetivos ou causarem problemas com as tarefas de manutenção do relógio, especialmente nos departamentos de convés, sala de máquinas e catering.

Quaisquer exceções devem ser devidamente registradas e compensadas

Marítimos jovens, por ordens do comandante do navio, podem ser necessários para trabalhar durante horas de emergência

De acordo com a convenção do Trabalho Marítimo da OIT de 2006, essas condições do horário de expediente do navio devem ser seguidas por todos os países membros da convenção, definindo o número máximo de horas de trabalho ou um número mínimo de horas de descanso, um limite que não deve ser excedido em um determinado período de tempo.

Estas horas aplicam-se a todos os navios abrangidos por uma ou todas as categorias abaixo mencionadas:

Propriedade pública ou privada

Envolvido em viagem pelo mar

Envolvido em operações marítimas comerciais, ou seja, transporte de carga ou passageiros para fins comerciais

Estas regras não são aplicáveis para

Embarcações de desenhos tradicionais, como juncos e dhows

Embarcações com menos de 500 toneladas de registro bruto

Navios que participam em operações de pesca

Embarcação estuarial

Um mínimo de 10 horas de descanso em qualquer período de 24 horas

77 horas de trabalho em qualquer período de 7 dias

As horas de descanso podem ser divididas em não mais de dois períodos, um dos quais deve ter pelo menos 6 horas de duração, e os intervalos entre períodos consecutivos de descanso não devem exceder 14 horas.

Legislação sobre trabalho embarcado

Uma jornada de 12 horas pode ser permitida quando prevista em acordos ou convenções coletivas. Trabalhadores com jornada de 8 horas tem direito a 24 horas consecutivas de descanso a cada 3 turnos trabalhados. Trabalhadores com jornadas de 12 horas tem direito a 24 horas de repouso consecutivo para cada turno de trabalho.

O trabalho embarcado em sondas e plataformas tem um período máximo de 15 dias consecutivos, com 15 dias de folga. A jornada de 14 dias embarcados por 21 dias de folga é prevista em convenções coletivas. Não realizar a folga após o período trabalhado gera ao trabalhador o pagamento em dobro.

Trabalhadores embarcados também tem direito ao adicional de periculosidade e insalubridade, além do adicional de sobreaviso no período embarcado ou desembarcado, de acordo com o contrato de trabalho. O adicional noturno pode ser devido no trabalho entre as 22 horas e as 5 horas do dia seguinte.

O trabalhador brasileiro que é cedido para trabalhar no exterior embarcado tem os mesmos direitos garantidos no Brasil, incluindo o recebimento do adicional de transferência, FGTS, Seguridade Social, despesas de retorno ao Brasil (exceto em caso de demissão por justa causa, Seguro de Vida, Assistência Médica e Social. Após 2 anos trabalhados no exterior, o trabalhador pode ter férias anuais no Brasil, com custos de viagem pagos pela empresa.

Ficou alguma dúvida? Deixem nos comentários suas perguntas e iremos responder!

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)